Escrever sobre dança

Você já pensou em ser bailarina profissional? Eu já, mas a vida, o destino ou as circunstâncias não deixaram acontecer. Ou apenas não aconteceu.

Há pessoas que queriam ser profissionais, assim como eu, e buscam trabalhar em dança de alguma maneira. Outras tantas gostam de dança, mas não querem saber do palco, o interesse delas é em outros seguimentos. Há uma terceira turma, aquelas que aposentaram as sapatilhas e agora buscam novos caminhos.

Não importa qual seja o seu caso, a questão é: não precisa dançar para trabalhar em dança.

Ensino, coreografia, ensaio, direção artística, figurino, cenografia, iluminação, fotografia, audiovisual, música, comunicação, pesquisa, crítica, jornalismo. Algumas dessas áreas têm seus desdobramentos, por exemplo, o ensino pode ser em cursos livres, de formação, ensino superior ou em companhias. Tudo depende da sua formação. Além disso, se você nunca foi bailarina ou coreógrafa, dificilmente será diretora artística. Sem conhecimento em artes cênicas, não trabalhará em cenografia ou iluminação. E por aí vai.

O mundo é vasto, apenas é preciso encontrar o seu lugar.

No meu caso, onde eu fui parar? Na escrita. O blog começou com as minhas experiências como bailarina adulta e aos poucos se transformou num lugar de informação e questionamentos.

Quem acompanha dança para além das aulas e das companhias, sabe como é difícil encontrar textos sobre o assunto nos meios de comunicação. A dança é praticamente uma nota de rodapé no jornalismo cultural. Os blogs são cada vez mais raros, eles deram espaço aos perfis das redes sociais. Sabem por quê? Não dá audiência. Você que dança, você que ama dança, lê sobre dança?

Eu leio. Leio porque me interessa, leio porque prefiro os textos, leio porque sem isso eu não escrevo.

O meu objetivo é escrever cada vez mais por aqui. Dá audiência? Cada vez menos. Por outro lado, é preciso escrever sobre dança. Ao dizer isso, eu não estou diminuindo as outras formas de divulgação, apenas reafirmo a importância do texto. As palavras são imprescindíveis na difusão do conhecimento e sempre terão o seu lugar.

Também quer escrever? Vamos começar do princípio: estudando.

Há algumas semanas, eu assisti no #CulturaEmCasa à aula “O jornalismo e a crítica de dança no Brasil” com Katia Calsavara, jornalista, atriz e bailarina. Além de nos contar a sua experiência em dança e jornalismo, ela conversou previamente com vários profissionais que escrevem sobre dança e fez um panorama dessa área no Brasil. Ela abriu uma janela para mim sobre esse assunto. Quem sabe para vocês também.

“O jornalismo e a crítica de dança no Brasil”, Katia Calsavara, Cultura em Casa, 15 maio 2020.

Aulas online para adultas com o Australian Ballet

Lembram quando aula de ballet clássico para pessoas adultas eram um ponto fora da curva? As coisas mudaram bastante nos últimos anos, inclusive, algumas companhias de dança passaram a dar aulas para esse público, como o English National Ballet. Mas aulas online desenvolvidas especialmente para adultas? Esse momento chegou!

O Australian Ballet desenvolveu aulas para adultas divididas por níveis. Iniciante, para aprender o básico. Intermediário, com foco na técnica. Avançado, voltado para a musicalidade e a dança.

Está em dúvida sobre qual o seu nível? Você pode assistir a trechos de uma aula de cada nível aqui.

Tudo muito bonito, mas vamos para a parte prática.

Cada aula custa 25 dólares australianos. Você terá acesso à aula durante sete dias, podendo assistir quantas vezes quiser. Novas aulas são inseridas no site toda terça, às 16h do horário local. Ou seja, caso você possa comprar uma por semana, sempre terá uma aula nova. As aulas são ministradas por ex-bailarinas da companhia, acompanhadas por um pianista.

Em reais, sim, o preço é alto para a maioria das pessoas. Mas quem puder fazer, é uma bela oportunidade de aprender ballet clássico com orientação de qualidade.

Para mais informações, acesse o site.

Learn to dance online with our adult ballet classes, Australian Ballet, 2020.

Quer fazer ballet em casa?

Antes vista como uma atividade complementar às aulas regulares, fazer ballet em casa se tornou o ponto central em tempos de isolamento social. Em vários países do mundo, profissionais e amadores transformaram a sala de casa em sala de aula. Quem imaginaria isso poucos meses atrás?

A primeira vez que escrevi sobre estudar em casa foi em 2010. Outros textos vieram depois, além de indicações de vídeos e perfis de dança. Sempre fui adepta desse estudo, desde o meu começo na dança, mas ele não tinha a aceitação de hoje. Antes mesmo de ser a única opção, a oferta de material consistente e de qualidade só aumentava. Acho isso uma beleza, porque estudar pela internet é uma realidade. Não adianta brigar, não adianta lutar contra. Se assim é, que seja da melhor maneira. É bom para todo mundo e a dança agradece.

Eu separei vários posts escritos ao longo desses dez anos para quem quer estudar em casa. Atualizei alguns deles porque bastante coisa mudou desde então. Leiam, perguntem, peguem suas sapatilhas, fiquem em casa, lavem as mãos e dancem.

Estudar em casa (18 mar. 2010)
Quer começar a estudar ballet em casa, mas não tem ideia de como fazer isso? Esse é um guia básico para você estudar com segurança.
Para ler, aqui.

Barra fixa em casa (29 jun. 2010)
Eu tenho uma barra fixa no meu quarto e contei passo a passo como ter uma igual.
Para ler, aqui.

Guia de estudo (4 jan. 2013)
Esse é um guia para quem quer estudar além da parte prática.
Para ler, aqui.

Posso aprender ballet sozinha? (10 abr. 2015)
Não pode, mas pode. Como? No texto eu explico.
Para ler, aqui.

Quinze minutos (11 fev. 2016)
Para quem quer fazer ballet em casa, mas não tem tempo, eu explico como estudar em apenas 15 minutos por dia. Vá por mim, dá certo.
Para ler, aqui.

Como eu aprendi a fazer pirueta, parte 1 (22 set. 2014) e parte 2 (25 set. 2014)
Parece brincadeira, mas eu demorei quatro anos para fazer pirueta decentemente. No primeiro post, eu contei todo o caminho percorrido, no segundo, eu explico as etapas para a pirueta finalmente acontecer.
Para ler a parte 1, aqui.
Para ler a parte 2, aqui.

Aulas de companhias de dança (4 nov. 2013)
Uma coisa é a aula de quem está aprendendo, outra, a aula de quem é profissional. No texto, eu explico as diferenças e de bônus há um vídeo de uma aula completa do Bolshoi em uma das salas do Royal Opera House.
Para ler, aqui.