Marianela e Vadim, Swanilda e Franz

Fim de ano é um período meio complicado, temos mil coisas pendentes para resolver e um relógio que insiste em correr. Assim, eu não tenho feito os posts que eu gostaria, mas Marianela Nuñez e Vadim Muntagirov surgiram para salvar a semana.

Ano que vem, prometo!, farei um texto explicando por que, na minha opinião, Marianela Nuñez é a melhor bailarina em atividade. É impressionante como ela fez bem qualquer papel dos grandes repertórios. Aurora, Odette, Lise, para ficar entre as mocinhas. Odile, Myrtha e Gamzatti, para ficar entre as vilãs. “Ah, mas será que ela consegue fazer a adolescente mais fofa e bravinha do ballet clássico?” Consegue. Olhem só ela como Swanilda.

Se não bastasse isso, depois de dois grandes partners ‒ Thiago Soares e Carlos Acosta ‒ será que ela encontraria outro tão bom? O Vadim Muntagirov trocou o English National Ballet pelo Royal Ballet. Lá, ele e Daria Klimentova formaram uma dupla incrível (mal comparando, me lembrava Margot Fonteyn e Rudolf Nureyev). Pois desse novo encontro surgiu uma parceria encantadora. Como é bom ver os dois juntos, eu esqueço a técnica clássica e aproveito uma das maravilhas do ballet clássico: ficar emocionada ao vê-los dançando.

Esse pas de deux mostra bem isso. Marianela e Vadim, Swanilda e Franz. Vida longa para essa parceria, a dança e o meu coração agradecem.

Pas de deux do terceiro ato, Coppélia, Royal Ballet, Marianela Nuñez e Vadim Muntagirov, 2019.