Parabéns para a bailarina

Todo ano a história se repete: eu me dou um presente no meu aniversário. Já teve variação, grand pas de deux, pas de deux, musical, repertório e todos eles podem ser vistos aqui.

Estou fazendo 36 anos e demorei para me decidir. Por um lado, Manon, Carmen, Onegin e A dama das camélias são repertórios que se encaixam perfeitamente à minha idade. Por outro,  mesmo gostando muito deles, A Bela Adormecida, Coppélia, La fille mal gardèe e Giselle soam meio infantis. Tudo bem, eu aparento ser mais nova, então abraçarei todos eles sem receio.

Dentre tantas possibilidades, escolhi a “Variação de Manon”. Ela já foi publicada três vezes (1, 2 e 3), além de Manon em A dama das camélias. É evidente, tenho um certo fascínio pela personagem.

Essa variação é linda e sei algumas sequências de cor. Dançá-la um dia nem parece tão distante assim.

“Variação de Manon”, Manon, Royal Ballet, Tamara Rojo, 2008.

A obsessão pelos 32 fouettés

Os 32 fouettés surgiram pela primeira vez na coda do grand pas d’action de Cinderella, sendo realizados pela bailarina Pierina Legnani em 1893. O público ficou tão impressionado que ela teve de repetir o feito, mas conseguiu realizar “apenas” 28. Desde então, esse é o ápice de um ballet de repertório.

Sou apenas eu ou vocês também acham um absurdo o grande momento de uma bailarina ser a prova de que ela gira tantas vezes no eixo sem cair? Não é desmerecimento, também acho lindo. Algumas de vocês até podem pensar: “Ah, você diz isso porque não consegue fazer igual”. Eu não consigo tantas coisas no ballet clássico…

Não importa o que a bailarina faça, ela tem de demonstrar que é virtuosa girando 32 fouettés. E ponto final. Isso é dançar?

Quando eu fazia curso profissionalizante de teatro, lembro de um excelente comentário de um professor. Ele dizia: “Se depois de assistir à peça, um espectador disser que adorou o figurino, a peça não funcionou. Se ele falar sobre o cenário, também não. A peça é boa quando ele sai impressionado com o espetáculo em si. Não é uma coisa ou outra que o ‘pegou’, mas o conjunto”. Sinceramente, eu acho que isso deveria valer para o ballet clássico. Se alguém só falar sobre os fouettés, o espetáculo não tocou aquela pessoa. Porque é impossível alguém se emocionar só de ver uma pessoa girando sem parar.

Tudo bem, vocês podem dizer que esse momento dos giros faz parte de algo maior, mas ele é visto sim como um fato isolado.

Assistam a este vídeo de uma aula da Tamara Rojo.

Tamara Rojo, aula no Teatro de Madrid, 2005.

Tudo bem, querem no contexto? Margot Fonteyn, como Odile.

Fouettés da coda do “grand pas de deux do cisne negro”, O lago dos cisnes, Vienna State Ballet, Margot Fonteyn e Rudolf Nureyev, 1966.

Eu não consigo me emocionar, sinto muito. Nem a Margot consegue e olha que ela me arranca lágrimas sempre que a vejo dançar.

Para mim, a melhor maneira de fouettés me encantarem é assim, em uma coreografia, como na “Variação de Lise”, de La fille mal gardèe.

“Variação de Lise”, La fille mal gardèe, The Australian Ballet, Fiona Tonkin, 1989.

Deu para perceber a diferença?

Ballet é mais do 32 fouettés. Uma bailarina é mais do que 32 fouettés. Mas há 118 anos, eles continuam sendo o atestado de uma verdadeira primeira-bailarina.

Se a mudança estivesse em minhas mãos, eu baniria esse momento. E estou falando sério. Para ser primeira-bailarina, seria imprescindível fazer o público suspirar ou ficar de olhos marejados. Teria de inspirar as pessoas com sua dança. E quer saber? Se fosse hoje, muitas perderiam o seu posto de prima ballerina

Para terminar, só mais uma coisa. Antes que alguém se revolte e defenda a sequência de fouettés de maneira veemente, só quero deixar claro que, como muita coisa neste blog, é a minha opinião. Realmente não acho bacana e ponto. Mas que cada qual siga com o ballet que gosta e acredita. O meu é bem diferente, como vocês já devem ter percebido, mas isso ficará cada vez mais claro daqui em diante.

*

P.S. Alguém notou que a Margot Fonteyn não completou os 32 fouettés? Aposto que não. Pois é…