Marianela e Vadim, Swanilda e Franz

Fim de ano é um período meio complicado, temos mil coisas pendentes para resolver e um relógio que insiste em correr. Assim, eu não tenho feito os posts que eu gostaria, mas Marianela Nuñez e Vadim Muntagirov surgiram para salvar a semana.

Ano que vem, prometo!, farei um texto explicando por que, na minha opinião, Marianela Nuñez é a melhor bailarina em atividade. É impressionante como ela fez bem qualquer papel dos grandes repertórios. Aurora, Odette, Lise, para ficar entre as mocinhas. Odile, Myrtha e Gamzatti, para ficar entre as vilãs. “Ah, mas será que ela consegue fazer a adolescente mais fofa e bravinha do ballet clássico?” Consegue. Olhem só ela como Swanilda.

Se não bastasse isso, depois de dois grandes partners ‒ Thiago Soares e Carlos Acosta ‒ será que ela encontraria outro tão bom? O Vadim Muntagirov trocou o English National Ballet pelo Royal Ballet. Lá, ele e Daria Klimentova formaram uma dupla incrível (mal comparando, me lembrava Margot Fonteyn e Rudolf Nureyev). Pois desse novo encontro surgiu uma parceria encantadora. Como é bom ver os dois juntos, eu esqueço a técnica clássica e aproveito uma das maravilhas do ballet clássico: ficar emocionada ao vê-los dançando.

Esse pas de deux mostra bem isso. Marianela e Vadim, Swanilda e Franz. Vida longa para essa parceria, a dança e o meu coração agradecem.

Pas de deux do terceiro ato, Coppélia, Royal Ballet, Marianela Nuñez e Vadim Muntagirov, 2019.

La cachucha

Cachucha é uma dança espanhola cantada e sapateada e, por extensão, a música que a acompanha recebe o mesmo nome. Sabiam que era uma dança difundida no Brasil no século 19?

Fanny Elssler em La cachucha, 1936. Fonte: Wikimedia Commons.

Em 1936, ela tornou-se popular graças à bailarina Fanny Elssler que dançou La cachucha no ballet O diabo manco, de Jean Coralli. A coreografia completa tem seis minutos, mas repetem-se basicamente os mesmos passos enquanto a bailarina vai se movendo delicadamente ao redor do espaço.

Na série Ballet Evolved, do Royal Ballet, no vídeo dedicado à Fanny Elssler, temos uma breve explicação sobre a coreografia. Primeiro, a bailarina faz a sequência final em um ritmo um pouco mais lento, para evidenciar os movimentos: o tronco é muito mais utilizado, de maneira constante, e pode-se realmente sentir o corpo. Depois, ela dança normalmente. Nós conseguimos ter uma bela ideia da coreografia e de sua importância na dança.

Ballet Evolved, Fanny Elssler (1810-1884), Royal Ballet, 2013.

Para quem gosta de mais informações, a notação coreográfica de La cachucha. Dá vontade de ficar um bom tempo analisando essa imagem.

Notação coreográfica de La cachucha, Friedrich Albert Zorn, 1886. Fonte: Wikimedia Commons.

Por fim, a grande Carla Fracci dançando a coreografia. Assisti-la depois de saber essas informações é bem diferente, não é?

Carla Fracci, La cachucha, programa “The Ballerinas”, 1987.

Romeo and Juliet: Beyond Words

Eu li Romeu e Julieta pela primeira vez aos 12 anos de idade, e reli tantas vezes que decorei passagens inteiras. Assisti ao filme dirigido por Franco Zeffirelli mais de uma vez. Assisti no cinema ao filme dirigido por Baz Luhrmann. Na mesma época, o ballet foi transmitido pela televisão, de madrugada. Fiquei acordada para assistir e o que aconteceu? Adormeci no sofá. Estou perdoada, eu era uma adolescente que tinha se apaixonado pelas palavras dessa história. Para mim, faltava alguma coisa na dança.

Só consegui assistir ao ballet com real interesse depois de ter começado a dançar. Confesso, não é uma obra que enche os meus olhos, porque a minha referência é a peça de teatro. Mas, depois de hoje, quem sabe eu mude de ideia.

A Cyndi compartilhou comigo o trailer de Romeo and Juliet: Beyond Words. É a coregrafia de Kenneth MacMillan e a música de Sergei Prokofiev, da montagem realizada pelo Royal Ballet, em uma obra cinematográfica. Sem falas, apenas a dança e os gestos, em locações onde se passa a história. Não, não é igual a essa versão de Giselle, com Carla Fracci no papel principal, feita para a televisão. É outra coisa, eu nunca vi nada parecido. Quer entender melhor? Assista ao trailer.

Trailer “Romeo and Juliet: Beyond Words”, Michael Nunn e William Trevitt, 2019.

William Bracewell e Francesca Hayward fazem os papéis principais. Quem quiser saber mais, acesse o site, o YouTube e o Instagram.

Eu contarei os dias para assistir.