Um cisne, uma mulher ou uma mistura dos dois?

Ao assistir à Odette dançando a sua variação, o que vocês veem: um cisne, uma mulher ou uma mistura dos dois?

Eu nunca tinha parado para pensar nessa questão até ler uma breve explicação no perfil da Marius Petipa Society. De maneira geral, as bailarinas dançam essa variação como se fossem uma “mulher-cisne”. Os movimentos dos braços que reproduzem os movimentos das asas de um cisne são icônicos; quem não os reconhece?

“Variação de Odette”, O lago dos cisnes, The Royal Ballet, Natalia Makarova.

Pois sabiam que a ideia original não era essa? Eu traduzi a explicação da Marius Petipa Society.

“Talvez em cada produção moderna de O lago dos cisnes, Odette é fortemente retratada como metade mulher, metade pássaro. De qualquer forma, isso é muito diferente de como Petipa e Ivanov a retrataram. Como mostrado neste vídeo, os passos tradicionais de ‘cisne’ estão ausentes na coreografia de Ivanov. Isso porque Odette é uma jovem mulher transformada em cisne por um feitiço mágico, em vez de uma criatura metade mulher, metade pássaro, ou um verdadeiro cisne. Nesse ponto do ballet, ela está em sua forma humana, então, não há lógica por que ela dança como um pássaro em vez de um ser humano.

“Durante a União Soviética, Odette foi transformada de um papel [personagem] a um símbolo do classicismo, por isso ela é tradicionalmente tão associada aos passos do pássaro. Foi Agrippina Vaganova quem adicionou os famosos braços de cisne usados hoje. Embora Petipa e Ivanov tenham usado braços de cisne, eles não eram tão exagerados quanto os de Vaganova.”

(Fonte: Marius Petipa Society)

O vídeo citado no texto é este.

“Variação de Odette”, O lago dos cisnes, Teatro Alla Scala, reconstrução de Alexei Ratmansky,  Nicoletta Manni. (Fonte: Amy Growcott)

Vocês perceberam como é diferente? É outra coisa! Os braços continuam fluidos e belos, mas sem as ondulações tão características. Confesso, gosto mais da Odette mulher, o problema é desapegar da Odette que conheço há tantos anos.

Bolshoi no cinema

Hoje foi divulgado o trailer da nova temporada do Bolshoi Ballet nos cinemas: Raymonda, O corsário, O Quebra-Nozes, Giselle, O lago dos cisnes, Romeu e Julieta e Jewels. As transmissões desses ballets vão acontecer entre 2019 e 2020, mas há outros que estão nesse momento em cartaz. Para acompanhar a programação, acessem www.bolshoiballetincinema.com ou @bolshoiballetincinema.

Eu ainda não assisti a um ballet no cinema e imagino como deve ser uma grande experiência. E esse trailer é um primor por si só. Lindo lindo lindo!

Trailer “Bolshoi Ballet in cinema 2019-2020”.

O prólogo que inspirou o prólogo

Quem assistiu ao filme Black Swan provavelmente se lembra da sequência inicial, quando Rothbart transforma Odette em cisne.

Prológo, Black Swan, direção de Darren Aronofsky, 2010.

Em seguida, a personagem principal, Nina, acorda e durante seu alongamento matinal conta à mãe sobre o sonho que tivera, o prólogo que acabamos de assistir, ela estava dançando O lago dos cisnes e parecia a versão do Bolshoi.

Não sou uma especialista em repertórios, mas o prólogo do filme é idêntico ao prólogo de uma outra companhia russa: esta montagem do Kirov/Mariinsky, de 1968, feita especialmente para ser filmada.

Esse prólogo tem uma força dramática tão grande, é uma das passagens mais belas do ballet clássico.

Prólogo, O lago dos cisnes, Kirov Ballet, 1968, Yelena Yevteleva e Makhmud Esambayev.
Quem quiser baixá-la, aqui.