Rose Fairy dançando a Valsa das Flores

Dia desses, passeando pela timeline do Twitter, me deparei com este vídeo: Mayara Magri linda, musical e impecável dançando um trecho da “Valsa das Flores”, em O Quebra-Nozes. Mesmo diante de um momento difícil da minha vida, ela colocou um sorriso no meu rosto e afagou meu coração.

Independentemente de como 2022 aconteceu na sua vida, que esses dois minutos também alegrem vocês. Em breve, 2023 estará batendo à nossa porta e daí vamos conversar sobre dança e como as coisas vão acontecer por aqui. Até lá, vamos valsar.

Feliz Natal e um Ano-Novo reluzente para vocês!

The Nutcracker – Rose Fairy performance (Mayara Magri, The Royal Ballet)

“É preciso sair do Brasil para viver o balé dignamente”, diz brasileira estrela do Royal Ballet de Londres

De vencedora do Prix de Lausanne, em 2011, a primeira-bailarina do Royal Ballet, dez anos depois, a bela carreira de Mayara Magri é uma inspiração para bailarinas de todas as idades e formações. Como não ficar encantada por ela?

Neste fim de semana, a coluna da jornalista Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo, publicou uma entrevista com a Mayara Magri realizada por James Cimino. Leiam, leiam, leiam. Além de pontuar questões muito importantes, ela mostra que, além de técnica e talento, tem plena consciência de sua profissão e do ballet para além da própria companhia. Passei a gostar ainda mais dela.

A entrevista completa, aqui.

*

A matéria é reservada para assinantes Folha de S.Paulo e UOL. Mas nada de tristeza, quem não é assinante pode ler até um limite de textos gratuitos por mês. Ou seja, se você não costuma ler o jornal ou ainda não atingiu o seu limite, poderá ler tranquilamente. Aproveite e corre lá para o link!

Harlequinade

Guardadas as devidas proporções, Harlequinade está para o Carnaval assim como o Quebra-Nozes está para o Natal. Eu o citei brevemente, nesta mesma época, em 2010. O ballet conta a clássica história de amor entre o Arlequim (Harlequin) e a Colombina.

Ao pesquisar para publicar um trecho do ballet, me deparei com a apresentação da Escola de Dança Petite Danse no Festival de Dança de Joinville, primeiro lugar na categoria conjunto clássico de repertório avançado em 2011. A Colombina é a Mayara Magri.

É encantador!

Vamos suspirar igual à Colombina durante estes quatro dias? Voltarei na quarta-feira de cinzas.