Ekstasis, Martha Graham e Aurélie Dupont

“A gênese dessa dança veio do gesto de um impulso pélvico que eu descobri em um dia”, assim Martha Graham definiu a semente do solo Ekstasis, criado por ela em 1933 e depois reinterpretado por Virginie Mécene em 2017. Essa obra faz parte do repertório da Martha Graham Dance Company.

Trecho de Ekstasis, Martha Graham Dance Company, PeiJu Chien-Pott.

Pouco tempo depois, o fotógrafo japonês Hiroshi Sugimoto dirigiu Aurélie Dupont dançando esse solo em um belíssimo cenário no Japão, a Odawara Art Foundation. Ao compararmos o trecho anterior, filmado no palco, e a coreografia completa como uma obra audiovisual, intitulada Breathing, percebemos como a nossa visão se amplia. A mesma obra, pontos de vista distintos.

Breathing, Hiroshi Sugimoto, “La 3e Scène”, Aurélie Dupont.

Nesta entrevista, a Aurélie Dupont explicou sobre a sua interpretação de Ekstasis e sua experiência na Martha Graham Dance Company logo após a sua aposentadoria na Ópera de Paris. O vídeo está em francês, com legendas em inglês.

Entrevista com Aurélie Dupont, Ópera de Paris, “La 3e Scène”.

Quanto mais eu assisto, pesquiso e acompanho a obra da Martha Graham e o seu legado, mais eu me interesso e me encanto pela dança moderna. Um amor sem volta.

Martha Graham, uma bailarina tardia

“No corpo de um bailarino devemos, como espectadores, tomar consciência de nós mesmos.”
(Martha Graham)

Barbara Morgan. Martha Graham, Frontier (1935)

Martha Graham nasceu em Allegheny County (Pensilvânia/EUA) em 11 de maio de 1894.

Considerada a mãe da dança moderna, inventou uma nova linguagem do movimento. Começou a estudar na Denishawn School em 1916, escola e companhia de Ruth St. Denis e Ted Shawn. Dez anos depois, fundou a sua própria companhia, a Martha Graham Dance Company, e o centro de estudos Martha Graham Center of Contemporany Dance. Ambos existem até hoje. Coreografou 181 trabalhos ao longo da vida.

Faleceu em 1º de abril de 1991.

*

Se alguém se deu ao trabalho de fazer as contas, Martha Graham começou a dançar aos 22 anos de idade. Imaginem se alguém tivesse dito: “Martha, esqueça, você está muito velha para começar”.