Carmen

Se você me ama, eu não te amo.
Se eu te amo, é melhor tomar cuidado!
Carmen, de Bizet

Depois de A dama das camélias, mais um ballet feito especialmente para mulheres: Carmen. Inspirado na ópera em quatro atos de Georges Bizet, com base na novela homônima de Prosper Mérimée, conta a trágica história de amor entre uma cigana, Carmen, e um cabo do exército, Don José.

Há várias versões, desde a primeira do Petipa (o onipresente dos ballets de repertório), em 1845, até a de Rafael Aguilar, em 1992. Provavelmente há uma série de outras montagens entre esses e mais outras que sequer desconfiamos. No fim das contas, a gente acaba escolhendo qual prefere ou qual gostaria de dançar.

Encontrei um vídeo belíssimo com a Alessandra Ferri e o Laurent Hilarie, com coreografia de Roland Petit, de 1949. Como a publicação no blogue não foi aceita, as curiosas podem assistir clicando aqui.

A versão mais conhecida é a de Alberto Alonso, de 1967. A Alicia Alonso é perfeita no papel principal, parece que a personagem foi feita para ela.

Agora, a minha preferida. Desconheço o autor da coreografia (talvez tenha sido apenas para a competição), dançado por uma menina (para mim, é ballet para uma mulher), mas eu me apaixonei perdidamente. Dançarei um dia, nem que seja adaptada.

Sou suspeita para falar sobre Carmen porque amo tudo: a história, a música, a ópera, o ballet, o flamenco. Só falta eu ler o livro, o que provavelmente farei sem tardar.

*

A história da ópera, aqui.
O trailer da ópera, aqui.
O ballet e suas mil coregrafias, aqui.
A sensacional Maria Callas cantando “Habanera” (a música que abre o post), aqui.