Variação de Carmen

Para quem acompanha o blog, a Mathilde Froustey não é um nome estranho. Já foram três posts com ela: Pas de cinq, Variação de Manon e Tristão e Isolda. Agora, é a vez de “Carmen” no concurso da Ópera de Paris.

Variação de Carmen, “Carmen”, Roland Petit. Mathilde Froustey, concurso da Ópera de Paris, 2010.

Todo ano, a Ópera de Paris realiza um concurso para os bailarinos da companhia mudarem de nível e subirem na hierarquia da empresa. Não passou, nada feito. O único posto conseguido apenas por nomeação é o mais alto, de étoile, mas para chegar lá… Para entender essa hierarquia, aqui.

Mesmo sendo uma bailarina incrível, a Mathilde Froustey não passa no concurso há anos e não consegue ser première danseuse, ela continua sendo sujet. Agora, ela ficará um ano no San Francisco Ballet como primeira-bailarina! É aquela história: não adianta dar murro em ponta de faca. Às vezes, o nosso pote de ouro está em outro lugar.

Flamenco

Acharam que eu tinha esquecido de falar sobre outras danças? Esqueci não.

Eu sempre quis fazer flamenco, mas ainda não consegui. O engraçado é que ele sempre esteve por perto.

Comecei no ballet com uma professora que, além de dar aulas de flamenco, o tem como sua especialidade. O terceiro estúdio onde tive aulas é especialmente de flamenco, pois foi criado pela maior bailaora (como são chamadas as bailarinas de flamenco) do Brasil. Tenho DVDs de três filmes de Carlos Saura – Ibéria, Carmen e Bodas de sangue – sobre o assunto. Porém, até hoje, não fiz sequer uma aula experimental.

Seria uma imensa pretensão da minha parte querer resumir o flamenco em um post. Basicamente, é um estilo de música e dança, oriundo de diversas regiões da Espanha. Suas origens vêm do século 15, ou seja, seiscentos anos de história.

O que mais me encanta é a sua força. Não no sentido literal da palavra, mas especialmente porque ela não é associada à feminilidade. No flamenco, as duas se encontram.

Outro ponto de admiração, já falado aqui, é a valorização das experientes. Quem manda é a mulher mais velha, ela é a grande estrela. Isso não é papo furado. Quem conhece o “meio” do flamenco sabe que realmente funciona dessa forma. Consequentemente, começar mais tarde e se tornar profissional é uma alternativa possível.

Chega de delongas, aqui estão dois vídeos que adoro. O primeiro, da grande Eva Yerbabuena, para desmistificar um pouco a supremacia da cor vermelha. O segundo, uma cena do filme “Carmen”, de Carlos Saura.

Eva Yerbabuena, no documentário Pulse: a Stomp Odyssey (2002), de Luke Cresswell e Steve McNicholas.

Cena do filme Carmen (1983), de Carlos Saura.

Para mais informações:
Flamenco Brasil, aqui.

Para se vestir lindamente feito bailaora:
Lunares Flamenco, loja virtual, aqui.

Gala de Aniversário

Vocês sabem o que é um Gala Ballet? É um espetáculo que reúne grandes bailarinos, cada qual com sua coreografia. Ao contrário dos repertórios, não se conta uma história.

Em comemoração ao aniversário do blog, tive a ideia de montar um “gala imaginário”. Das coreografias escolhidas por vocês no post O que vocês querem dançar?, eu montei o espetáculo. O nosso espetáculo.

É importante ressaltar que:

  • O espetáculo é fictício. Ele não acontecerá, nem adianta perguntarem dia, horário e local.
  • Os bailarinos profissionais citados são apenas um desejo das bailarinas. Nenhum deles foi contratado por ninguém aqui.
  • Os vídeos não correspondem às bailarinas/leitoras em questão.
  • Quem escolheu grand pas de deux ganhou só pas de deux. Quem escolheu coreografia repetida, eu mantive, mas coloquei vídeos de bailarinos diferentes.
  • A grande graça é assistir aos vídeos na sequência, imaginando como se realmente fosse um espetáculo.

Para assistir aos vídeos, clique no nome de cada coreografia (dica: quem estiver muito curiosa e não puder assistir no momento, apenas passe o mouse sobre o título de cada coreografia. Aparecem fotos dos vídeos).

Preparadas? Depois do terceiro sinal…

Vanessa e Roberto Bolle
Branca de Neve, pas de deux final, até 3’45”

Cássia (Dos passos da bailarina)
A filha do faraó, 2ª variação, Rio Nilo

Priscila
Giselle, Variação de Giselle, 1º ato

Keyla
Giselle, Variação de Giselle, 2º ato

Patrícia e Mikhail Baryshnikov
O Quebra-Nozes, pas de deux, 2º ato, a partir de 1’45”

Ana (Vivendo e dançando)
Dom Quixote, Entrada de Kitri

Leticia (Casa de Catarina)
Carmen, Variação de Carmen

Luana e Thiago Soares
Dom Quixote, pas de deux, 3º ato

Simoní (Dance and Have Fun!)
Dom Quixote, O desafio de Kitri

Bebel
Esmeralda, Variação de Esmeralda

Emily e Daniil Simkin
O lago dos cisnes, pas de deux, 3º ato

Carol (Meia Ponta)
A Bela Adormecida, Variação do Pássaro Azul

Isabella
Harlequinade, Variação de Harlequinade

Vivian (in Sight) e Mikhail Baryshnikov
A Bela Adormecida, pas de deux, até 4’35”

Fernanda e amigas
O lago dos cisnes, pas de quatre

Heydi (Escrevendo com os pés) e Mikhail Baryshnikov
Spartacus e Phrygia, pas de deux

Mari
Esmeralda, Variação de Esmeralda

Luciana
Variação de Grand Pas Classique, até 1’58”

Thaís (Ponta perfeita)
O lago dos cisnes, Variação de Odile

Suelen e Mikhail Baryshnikov
Dom Quixote, pas de deux, 3º ato

Karin
Raymonda, 5ª variação

Marcelo Gomes, Darcey Bussell, Ana, Bebel, Carol, Cássia, Emily, Fernanda, Heydi, Isabella, Karin, Keyla, Leticia, Luana, Luciana, Mari, Patrícia, Priscila, Simoní, Suelen, Thaís, Vanessa e Vivian
Sylvia, pas d’action, 1º ato