La cachucha

Cachucha é uma dança espanhola cantada e sapateada e, por extensão, a música que a acompanha recebe o mesmo nome. Sabiam que era uma dança difundida no Brasil no século 19?

Fanny Elssler em La cachucha, 1936. Fonte: Wikimedia Commons.

Em 1936, ela tornou-se popular graças à bailarina Fanny Elssler que dançou La cachucha no ballet O diabo manco, de Jean Coralli. A coreografia completa tem seis minutos, mas repetem-se basicamente os mesmos passos enquanto a bailarina vai se movendo delicadamente ao redor do espaço.

Na série Ballet Evolved, do Royal Ballet, no vídeo dedicado à Fanny Elssler, temos uma breve explicação sobre a coreografia. Primeiro, a bailarina faz a sequência final em um ritmo um pouco mais lento, para evidenciar os movimentos: o tronco é muito mais utilizado, de maneira constante, e pode-se realmente sentir o corpo. Depois, ela dança normalmente. Nós conseguimos ter uma bela ideia da coreografia e de sua importância na dança.

Ballet Evolved, Fanny Elssler (1810-1884), Royal Ballet, 2013.

Para quem gosta de mais informações, a notação coreográfica de La cachucha. Dá vontade de ficar um bom tempo analisando essa imagem.

Notação coreográfica de La cachucha, Friedrich Albert Zorn, 1886. Fonte: Wikimedia Commons.

Por fim, a grande Carla Fracci dançando a coreografia. Assisti-la depois de saber essas informações é bem diferente, não é?

Carla Fracci, La cachucha, programa “The Ballerinas”, 1987.

Variação de Fanny Cerrito

Sabe quando o tempo passa e não nos damos conta? Foi o que aconteceu. Minha cabeça anda tão ocupada com outras coisas que só hoje percebi como o blog está desatualizado.

Como estamos oficialmente no período “festas de fim de ano”, escrever textos longos ou tratar de assuntos mais importantes é sempre complicado, pois corre-se o risco dos posts passarem batidos. Sendo assim, nos últimos dias de 2014 falarei sobre um assunto para pensarmos bem, o restante ficará para o próximo ano.

Hoje será apenas um vídeo antigo. Uma das minhas bailarinas mais amadas, a Carla Fracci, dançando a “Variação de Fanny Cerrito”, do Pas de Quatre. Talvez por ser um especial para a televisão, houve uma pequena adaptação, ela começa dançando uma passagem que originalmente é dançada por duas bailarinas; a variação em si começa em 1’50”.

Dá vontade de vestir um tutu romântico e sair dançando por aí.