Natal de bailarina

Eu sou apaixonada pelo Natal e não escondo isso de ninguém. Sempre fui. Poucas coisas me tiram do sério nesta época, simplesmente porque acho que o mundo fica mais bonito.

Sendo assim, não deixaria de presentear vocês. São dois presentes que, de alguma forma, se interligam.

Impossível fugir de O Quebra-Nozes. Mas, ao contrário da maioria das bailarinas, eu quero ser a Clara. Aqueles olhos encantados com toda essa viagem com o soldadinho… Este pas de deux é de amolecer qualquer coração.

“Pas de deux do ato I”, O Quebra-Nozes, Royal Ballet.

E um texto que escrevi para a terceira edição da revista a Lagarta, da Carol. Resume bem como me sinto nesta época.

Da passagem do tempo

“A vida, Senhor Visconde, é um pisca-pisca.” Em Memórias da Emília, a personagem de Monteiro Lobato tem essa grande iluminação. “Cada pisco é um dia.” Cada momento é um piscar de olhos. Até o dia em que deixamos de piscar.

Quando releio essas palavras, sempre lembro do pisca-pisca, aquelas luzinhas brejeiras. Para mim, os dois piscares fazem a mesma coisa: marcam o tempo.

Eu sinto que o ano está acabando quando as luzes invadem o país, a cidade, a minha rua, a minha casa. Quantas vezes, sentada no sofá, fiquei olhando aquele acender-apagar sem fim. Os dias estão passando, eu pensava. Inexplicavelmente, a tristeza não me invadia. Eu me alegrava com o meu passar na vida.

A graça é iluminar somente nesta época do ano. Brilho constante e adeus encanto. O sorriso se abre quando as luzes começam a piscar aos poucos até o momento em que invadem tudo. Quando começam a brilhar dentro da gente.

O pisca-pisca tem ares de infância. De quando achávamos que tudo poderia ser feito. Há quem deixe essa criança esquecida em uma noite de Natal distante. A minha anda sempre de mãos dadas comigo. É ela quem sorri quando o Natal chega. É ela quem se emociona com as luzinhas piscantes. É ela quem descobre que está vivendo como gostaria de viver. O meu passado e o meu presente sorriem juntos.

“A vida é um rosário de piscadas.” É nessa passagem de tempo que a vida acontece. Nem antes, nem depois. Emília era sabida. Ela não precisou de pisca-pisca para dar-se conta disso. E talvez eu também nem precise mais.

*

Para vocês, um Natal lindo e cheio de amor.