Um pas de deux para acalentar o coração

Semana passada não teve publicação. Nesta, não poderia deixar passar. Mas quem disse que consegui escrever um texto como deveria? Há sete dias, perdi a minha avó materna e ainda não consigo me mover no mundo. Sabe quando estamos meio fora de órbita? É assim.

Eu ainda não montei a árvore de Natal, eu não estou no clima natalino, mas hoje este vídeo me iluminou por dentro. Como um pisca-pisca mostrando que a beleza existe e também mora em uma bailarina e um bailarino. Neste caso, a Isabella Boylston e o James Whiteside dançando o grand pas de deux de O Quebra-Nozes.

Assim como este vídeo acalentou o meu coração, espero que aconteça o mesmo com vocês. A arte salva, como me salvou hoje mais uma vez.

“Grand pas de deux”, O Quebra-Nozes, American Ballet Theatre, Isabella Boylston e James Whiteside, 2020.

Variação da Colombina

Harlequinade (1900) é um ballet de Marius Petipa com música de Riccardo Drigo. Quem não conhece o pas de deux e as variações masculina e feminina? Famosos em festivais e competições pelo mundo afora, essas coreografias tão conhecidas não fazem parte da obra original, sabiam? Elas foram criadas por Pyotr Gusev na década de 1930 e com outras músicas de Riccardo Drigo. Para saber mais, clique aqui.

Em 2018, Alexei Ratmansky fez a reconstrução* de Harlequinade (1900) para o American Ballet Theatre. Esta é a “Variação da Colombina”, dançada pela bailarina Skylar Brandt. Não é uma graça?

“Variação da Colombina”, Harlequinade, reconstrução de Alexei Ratmansky, Skylar Brandt, American Ballet Theatre, 2020.

*

* Reconstruções são montagens muito próximas das ideias de seus criadores. Para isso, pesquisam-se notações coreográficas, documentos históricos, vídeos, depoimentos de participantes das montagens originais e demais materiais que ajudem a recompor o repertório.

O pequeno bailarino nigeriano

Em meados de julho, viralizou na internet um vídeo de um menino dançando ballet a céu aberto, na chuva, em um chão de cimento batido. Anthony Mmmesoma Madu tem 11 anos e estuda na Leap of Dance Academy, em Lagos, na Nigéria. Fundada em 2017 pelo professor autodidata Daniel Owoseni Ajala, a escola tem 12 alunos e oferece aulas gratuitas de dança em um espaço improvisado. Se você é uma das poucas pessoas que ainda não assistiu ao vídeo, clique aqui.

Não é difícil se encantar por ele, além de dançar muito bem, o seu talento é nítido. Nasceu para ser artista.

“Meet 11 Year Old Ballet Dancer, Mmesoma”, Orange Culture Nigeria, 8 ago. 2020

Quem também ficou impressionada foi a bailarina Cynthia Harvey, diretora artística da American Ballet Theatre Jacqueline Kennedy Onassis School. Ela concedeu uma bolsa de estudos em dança para Anthony e outra no treinamento de professores para Daniel. Por causa da pandemia, ambos estão estudando online, mas ano que vem Anthony vai estudar nos Estados Unidos.

O seu sucesso ultrapassou as redes sociais e foi notícia na Reuters, NBC News, Good Morning America, AFP News Agency, BBC News, The New York Times, Le Monde, The Guardian, The Washington Post e Time, para citar alguns.

Quem quiser saber mais sobre a escola de dança e seu fundador, as melhores matérias são as do The Guardian e do The New York Times. Aviso de antemão: dificilmente a nossa visão sobre o ballet clássico continuará a mesma depois dessa história.

E nesta outra matéria da BBC News, legendada em português, conhecemos um pouco da história de Anthony, além de seu medo e sua ansiedade em ficar longe da família para estudar em outro país. Quando ele chora ao se imaginar indo embora, choramos junto: tão menino lidando com tantas coisas ao mesmo tempo. Que seja apenas o começo, Anthony! Os palcos do mundo esperam por você.

“Menino que dançava balé descalço na rua ganha bolsa nos EUA após vídeo viral”, BBC News Brasil, 29 ago. 2020

*