“É preciso sair do Brasil para viver o balé dignamente”, diz brasileira estrela do Royal Ballet de Londres

De vencedora do Prix de Lausanne, em 2011, a primeira-bailarina do Royal Ballet, dez anos depois, a bela carreira de Mayara Magri é uma inspiração para bailarinas de todas as idades e formações. Como não ficar encantada por ela?

Neste fim de semana, a coluna da jornalista Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo, publicou uma entrevista com a Mayara Magri realizada por James Cimino. Leiam, leiam, leiam. Além de pontuar questões muito importantes, ela mostra que, além de técnica e talento, tem plena consciência de sua profissão e do ballet para além da própria companhia. Passei a gostar ainda mais dela.

A entrevista completa, aqui.

*

A matéria é reservada para assinantes Folha de S.Paulo e UOL. Mas nada de tristeza, quem não é assinante pode ler até um limite de textos gratuitos por mês. Ou seja, se você não costuma ler o jornal ou ainda não atingiu o seu limite, poderá ler tranquilamente. Aproveite e corre lá para o link!

Blogs, sites, podcasts e perfis sobre dança

Eu sou uma apaixonada por informação. Sou comunicadora social, me formei em publicidade e até hoje não entendo por que não estudei jornalismo. Mesmo assim, sou uma profissional do texto e a qualidade da informação faz uma diferença imensa na minha vida e no meu trabalho.

Talvez vocês também sejam assim, gostem de saber mais sobre dança. Por isso, selecionei algumas fontes de informação sobre o assunto. Há outras tantas igualmente boas, mas escolhi estas porque gosto demais de todos esses trabalhos. Citei nominalmente as pessoas envolvidas em sua produção; produzir conteúdo dá muito trabalho e é importante sabermos quem faz tudo isso acontecer.

Quem quiser compartilhar outros blogs, sites, podcasts e perfis de dança, eu adorarei saber.

BLOGS

Isabella Gasparini
Durante a quarentena, a bailarina brasileira Isabella Gasparini resolveu criar um blog. Além de solista do Royal Ballet, ela estuda literatura inglesa e escrita na Open University. Os seus textos nos mostram como é ser bailarina profissional numa perfeita combinação entre a realidade da profissão e o encantamento de dançar em uma das maiores companhias do mundo. Se não bastasse isso, ela escreve muitíssimo bem!
Os textos são em inglês e em português.
Para acessar: pt.isabellagasparini.com

Vídeos de Ballet Clássico
Há mais de dez anos, a pesquisadora de dança Juliana Mel é conhecida por manter o Vídeos de Ballet Clássico, um blog de obras completas de ballet clássico. Para mim, um ponto importante do seu trabalho acaba ficando de lado: grande conhecedora de repertórios, os textos que acompanham as postagens valem a leitura por si só. O perfil no Instagram é um complemento, sempre com informações valiosas.
Os textos são em português.
Para acessar: videosdeballetclassico.blogspot.com

da Quarta Parede
O crítico de dança Henrique Rochelle mantém o da Quarta Parede, um blog onde publica a maior parte dos seus textos. Como ele é um pesquisador de dança e assiste a muitos espetáculos por ano, acompanhar as suas postagens é uma maneira de conhecer e entender sobre o assunto. Mesmo quem não assistiu ao espetáculos, vale a leitura, os seus textos são claros e nos dão uma bela ideia sobre cada obra.
Os textos são em português.
Para acessar: daquartaparede.com

SITE

Portal MUD
Criado por Natália Gresenberg e Talita Bretas, o Portal MUD é um espaço de memória, informação, divulgação e ensino de dança no Brasil. Se não me engano, é o site mais completo sobre dança do país. Um excelente trabalho que vale a pena ser consultado.
Os textos são em português.
Para acessar: portalmud.com.br/portal

Agenda de Dança
Criado pelo bailarino Tarcísio Cunha, o Agenda de Dança é um site de divulgação de eventos e espetáculos de dança no Brasil, além de outras informações sobre o assunto. Completo e atualizado, é para acompanhar sempre.
Os textos são em português.
Para acessar: agendadedanca.com.br

PODCAST

Contos do Balé
O podcast Contos do Balé é inspirado no livro homônimo de Inês Bogéa, diretora artística da São Paulo Companhia de Dança. Cada episódio é narrado por ela e por um convidado, e conta a história de um repertório. Voltado para crianças, nada impede que adultos também ouçam e se emocionem, é uma delicadeza para todo mundo.
Os episódios são em português.
Para acessar: open.spotify.com/show/72Q1juiisffMpAb1O3jGZf

Podançá
Produção do Festival de Dança de Joinville, o podcast Podançá traz entrevistas e conversas sobre dança com convidados e convidadas que fizeram parte da história do festival. Os assuntos são sempre pertinentes sobre a dança produzida no país e no exterior.
Os episódios são em português.
Para acessar: open.spotify.com/show/7ET2dI0ZAoVfcJfLhKcxMZ

Conversations on Dance
Produzido e apresentado pelos bailarinos Rebecca King Ferraro e Michael Sean Breeden, o podcast Conversations on Dance traz profissionais de dança, especialmente bailarinos e bailarinas. É mesmo uma conversa entre profissionais da área e entendemos melhor como funciona a dança profissional. Alguns brasileiros já participaram, como a bailarina Carla Körbes e o bailarino Jovani Furlan.
Os episódios são em inglês.
Para acessar: open.spotify.com/show/0audO74OlLuZyY7Nvf5D0F

PERFIS

Marius Petipa Society
A organização The Marius Petipa Society é uma espécie de mantenedora da obra de Marius Petipa. Com uma abordagem acadêmica, o site é a principal fonte de informações sobre suas obras e seu legado, e o perfil no Instagram sempre traz textos curtos, imagens e vídeos de remontagens pelo mundo afora. Indispensável para quem ama repertórios.
As publicações são em inglês.
Para acessar: @mariuspetipasociety

Al.longe
Alícia Cohim é a curadora deste perfil repleto de vídeos raros de dança. Às vezes encontro alguma obra, algum bailarino, alguma bailarina que eu não conhecia; e se conheço, revejo porque sempre vale a pena.
As publicações são em português.
Para acessar: @al.longe

Shamel, Goyo e SPCD

Em maio, falei brevemente sobre a temporada 2019 da São Paulo Companhia de Dança e seus dois primeiros programas. Hoje, estive novamente na companhia para assistir aos ensaios completos de duas novas criações: “Vai”, de Shamel Pitts, e “Anthem”, de Goyo Montero. Elas fazem parte dos próximos programas da temporada.

Shamel Pitts é bailarino e coreógrafo americano. Ele fez parte do Batsheva Dance Company durante sete anos, sob a direção artística de Ohad Naharin, além de ser um professor certificado do Gaga Movement.

Em sua criação para a São Paulo Companhia de Dança, ele pensou em um mundo pós-apocalíptico, onde vemos a capacidade humana de recomeçar. A sociedade e a individualidade, o eu e os outros: foi assim que enxerguei essa obra. Há belíssimas sequências de grupo, mas mesmo assim não deixamos de ver cada artista como um ser único, pessoas que tem o seu próprio caminho a seguir. Os movimentos do corpo são bem diferentes do que estamos comumente acostumados a ver, fluidos e vigorosos, oscilações do tronco, braços amplos e pernas elevadas, e a gravidade como um ponto importante. Parece difícil de compreender, mas fica claro ao vermos em cena. O duo final é sensível e afetuoso coroando lindamente a obra.

“Vai”, de Shamel Pitts. Foto: André Porto/Divulgação.

Goyo Montero é coreógrafo espanhol com obras apresentadas em várias companhias ao redor do mundo. Foi diretor artístico do Nuremberg Ballet durante dez anos e tem uma longa parceria com o Prix de Lausanne. Quem acompanha a competição viu alguma obra sua, feito eu, seja dançada pelos participantes, seja nas apresentações da premiação.

Em sua criação para a São Paulo Companhia de Dança, ele fala sobre o nosso tempo, vemos uma sociedade que se desmancha, se confronta, renasce e segue adiante. É uma obra com começo, meio e fim, mas, olhando atentamente, percebemos como ele nos mostra o ciclo da vida, pelo qual cada um de nós teremos de passar. Dividida em partes, ele conta essa história com movimentos vigorosos, densos, enérgicos, sequências em grupo que exigem técnica, teatralidade e força dos bailarinos. Há uma longa sequência praticamente toda no chão, uma das mais incríveis que já assisti. A cena final poderia ser um quadro, perfeito e acabado. Duvido alguém passar incólume por “Anthem”.

“Anthem”, de Goyo Montero. Foto: Charles Lima/Divulgação.

Shamel e Goyo criaram obras distintas, mas que conversam entre si. Se essas obras fossem literatura, seriam grandes distopias.

Serviço

São Paulo Companhia de Dança

De 31 de outubro a 3 de novembro
“Ngali…”, de Jomar Mesquita, “Odisseia”, de Joëlle Bouvier, “Vai”, de Shamel Pitts
Quinta, sexta e sábado, às 20h
Domingo, às 17h

De 7 a 10 de novembro
“Melhor único dia”, de Henrique Rodovalho, “Supernova”, de Marco Goecke, “Anthem”, de Goyo Montero
Quinta, sexta e sábado, às 20h
Domingo, às 17h

Teatro Sérgio Cardoso
Rua Rui Barbosa, 153, Bela Vista
Telefone: (11) 3288-0136
www.teatrosergiocardoso.org.br

Ingressos:

R$ 65,00 (plateia central/inteira)
R$ 50,00 (plateia lateral/inteira)
R$ 40,00 (balcão/inteira)
Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do teatro ou pelo Ingresso Rápido (programa 1 e programa 2)