Dança debaixo d’água

Eu sou fascinada por água, ela sempre está presente nos meus textos ficcionais. O meu livro Virgínia (2015) começa com a protagonista submergindo em um lago. Por outro lado, não me peça para nadar ou mergulhar, o meu encantamento é olhar de fora. Sendo assim, não é difícil imaginar por que esses dois curta-metragens de dança prenderam a minha atenção.

*

Ama (2018), de Julie Gautier

Inspirada pelas japonesas que coletam pérolas no mar, a cineasta e mergulhadora Julie Gautier é a protagonista desta obra, em que dança a 10 metros de profundidade sem qualquer equipamento para respirar. Foram vários mergulhos curtos até completar a duração do vídeo, de seis minutos. A coreografia é de Ophélie Longuet. O resultado é arrasador, eu fiquei imensamente emocionada.

Na descrição do vídeo, ela diz: “Ama é um filme mudo. Ele conta uma história que cada um pode interpretar a sua própria maneira, baseado em sua própria experiência. Não há imposição, apenas sugestões. Eu queria compartilhar a minha maior dor nesta vida com este filme. Para não ser muito cru, eu cobri com graça. Para não ficar muito pesado, eu mergulhei na água. Eu dedico este filme a todas as mulheres do mundo”.

Para assistir ao making off, aqui.
Em 2020, foi lançada uma versão com outra música. Para assistir, aqui.
Para saber mais, aqui.

*

Sink or Swim (2017), de Louis-Jack

Como é a sensação de uma pessoa com depressão? Partindo dessa premissa e inspirado no quadro Sink or Swim (2014), de Ian Cumberland, surgiu este filme com ideia original e coreografia de Charlotte Edmonds e direção de Louis-Jack. Protagonizado pela bailarina Francesca Hayward, o curta-metragem contou com o apoio do The Royal Ballet, Studio Wayne McGregor e Mind (organização de apoio à saúde mental).

Segundo as palavras de Charlotte Edmonds: “Eu sempre usei a dança para expressar minhas emoções e preocupações. Eu a uso como um veículo para retratar um tema vívido na minha mente. Durante o treinamento, passei por fases em que eu cheguei ao fundo do poço. Eu me vi sofrendo em silêncio e nunca senti coragem de falar. É por isso que eu sou apaixonada por este filme – não deveria haver vergonha em admitir que você não consegue manter sua cabeça acima da água”.

Qualquer pessoa que já passou por isso reconhece essa sensação, não só, mas se reconhece nessa mulher que não consegue emergir. O resultado é de uma beleza ímpar.

Para saber mais, aqui.

Coreografias que me deixam entre a agonia e a fascinação

Ano passado, contei que nos meus tempos de teatro eu participei de uma peça em que eu corria vendada em um armazém mal iluminado. Eu era guiada por uma outra atriz, mas mesmo assim senti um leve frio na espinha em todas as apresentações. Talvez por essa experiência, na dança, eu presto muita atenção na segurança das coreografias. Como assim? Presto atenção se as bailarinas e os bailarinos correm algum risco de se machucar ou de machucar alguém enquanto se apresentam.

O problema é a subjetividade da minha análise: como bati o braço correndo de olhos vendados em plena apresentação, sempre acho que a desgraça alheia vai acontecer. Isso não significa que os profissionais envolvidos nas obras não saibam o que estão fazendo, mas isso não diminui a minha agonia. Há coisas que eu vejo e minha respiração para por um segundo.

Assim, pensei em sequências de obras que me deram essa sensação. Acho todas incríveis, fico fascinada com essas passagens, mas meu coração acelera imediatamente.

Todos esses trechos são de dança contemporânea, mas prometo fazer também uma lista de ballet clássico. Sim, porque nem tudo é delicadeza no mundo do cetim!

A parede de Velox (1995), de Deborah Colker, Cia de Dança Deborah Colker

Em uma parede de escalada, bailarinos e bailarinas formam desenhos enquanto se movem entre as pedras que servem de apoio. A questão é: sem nenhum material de proteção. O resultado é fascinante, eu não pisco os olhos, mas é inevitável pensar que alguém vai escorregar, pisar em falso e cair.

Os tubos metálicos em Bach (1996), de Rodrigo Pederneiras, Grupo Corpo

Tubos presos no teto fazem alusão aos órgãos de Bach, na obra homônima do Grupo Corpo. Se não me engano, há quatro momentos em que os bailarinos usam esses tubos durante a coreografia: na abertura, em um duo, no momento em que bailarinas se seguram ao serem erguidas e tiradas de lá, e no final.

Eu sinto uma leve agonia em todos esses momentos, mas o ápice é justamente no final. Uma parte do elenco sobe nesses tubos enquanto uma outra parte dança no palco. A sensação é: a turma de cima cairá com tubos e tudo sobre a turma de baixo. Claro, nada disso acontece, todos descem, a coreografia continua, a obra termina, o resultado é incrível, mas a minha agonia segue firme.

A chuva de bolinhas verdes em Play (2017), de Alexander Ekman, Ópera de Paris

Enquanto vários bailarinos dançam no palco acontece uma chuva de bolinhas verdes. Todos saem correndo, fica apenas uma mulher com seu guarda-chuva. Quando o palco está completamente verde, eles voltam e dançam aleatoriamente, lembrando mesmo uma brincadeira de criança. A agonia começa aí. Depois, eles dançam em sincronia e eu só consigo pensar: “Quem será a primeira pessoa a pisar em falso em uma bolinha?”.

É tão bem-feito que eles dançam sem tirar os pés do chão, mas o pensamento persiste. De qualquer forma, visualmente, é lindo demais!

Os “vidros quebrados” em A Biblioteca de Babel (2019), de Ismael Ivo, Balé da Cidade de São Paulo

Em uma das primeiras sequências do espetáculo, os bailarinos e as bailarinas estão em sua “prateleira”, até que ouvimos o som de vidros se quebrando. Não só, vemos esses estilhaços caindo enquanto eles e elas vão saindo de seu espaço e tomando o palco, se arrastando sentados.

O nível da minha agonia: eu demorei uma meia hora para perceber que, claro!, aqueles pedaços sequer eram de acrílico, eram de plástico mesmo, tipo celofane. Ninguém em sã consciência dançaria tranquilamente com a real possibilidade de se machucar. Mas eu pensei nisso na hora? Não pensei, mérito da produção da obra. Eu realmente embarquei na ideia que quiseram passar.

E vocês, lembram de alguma passagem em que também sentiram agonia?