Para abril não passar em vão

Outro dia, levei um susto ao ver que não publico nada no blog há mais de um mês. Tenho acompanhado mais ciência e saúde do que dança, minha cabeça estava voltada para o coronavírus. O tempo passou e eu não percebi.

Devido ao isolamento social, estou em casa há 43 dias. São Paulo é um dos epicentros da pandemia no país e sair apenas se for urgente. De maneira inexplicável, parece que o tempo está correndo mais rápido do que eu.

Gostaria de ter publicado um texto ontem, Dia Internacional da Dança, mas não consegui. Tudo bem, ele será publicado em breve, porque a questão vale para todos os dias do ano. Aliás, apesar dos pesares, algo bacana aconteceu entre mim e a dança, e é sobre isso que escreverei em breve.

Mesmo assim, não queria deixar abril passar em vão, sem uma única postagem. Resolvi publicar uma coreografia que já apareceu no blog, mas vale a repetição. A primeira variação de “Esmeraldas”, de Jewels, sempre acalma o meu coração.

Primeira variação de “Esmeraldas”, Jewels, George Balanchine, Beatriz Stix-Brunell, Royal Ballet.

Filmes de dança para assistir em casa

Em tempos de coronavírus, uma das recomendações é ficar em casa. (A primeira é lavar as mãos adequadamente, já lavou as suas quantas vezes hoje?) Sendo assim, fiz uma lista de filmes de dança que estão disponíveis em três plataformas de streaming.

Eu selecionei apenas filmes porque são mais rápidos de assistir. Não selecionei todos, quem souber de outros títulos, é só indicá-los nos comentários. Divirtam-se!

NETFLIX

Sob a luz da fama (Center stage), 2000, 1h55min
A trajetória de um grupo de estudantes de ballet na fictícia American Ballet Academy. O grande clássico do ballet, dificilmente uma bailarina não o assistiu. Sou só amor por ele.

Dirty Dancing: Ritmo quente (Dirty Dancing), 1987, 1h40min
Frances conhece Johnny, um instrutor de dança, em uma colônia de férias. Outro clássico, se você não o assistiu, pelo menos conhece a música-tema, ou a dança final, ou a frase “Nobody puts baby in the corner”.

A bailarina (Ballerina), 2016, 1h29min
Animação que conta a história de uma menina que quer estudar na Ópera de Paris. Uma graça!

Restless Creature: Wendy Whelan, 2016, 1h33min
Documentário sobre a aposentadoria da bailarina Wendy Whelan do New York City Ballet, depois de 30 anos na companhia.

GLOBOPLAY

Meu nome é Patrick Swayze (I am Patrick Swayze), 2019, 1h32min
Documentário sobre a vida do Patrick Swayze. Eu não assisti, mas como ele fez ballet clássico, conheceu a esposa dessa forma, atuou no filme Dirty Dancing, talvez seja interessante.

AMAZON PRIME

O Quebra-Nozes e os quatro reinos (The Nutcracker and the Four Realms), 2018, 1h39min
A versão cinematográfica da clássica história. Visualmente, é lindo de doer.

O príncipe encantado (The Nutcracker), 1993, 1h32min
Montagem de O Quebra-Nozes realizada pelo New York City Ballet. Agora, por que o título em português na Amazon Prime é “O príncipe encantado”, eu não faço ideia.

Suspíria: a dança do medo (Suspiria), 2018, 2h32min
Algo sombrio ronda uma companhia de dança. Preciso dizer que é um filme de terror? Essa é a refilmagem do original de 1977; não assisti a nenhum dos dois porque não quero ter pesadelos à noite.

Fama (Fame), 2009, 1h46min
O dia a dia dos estudantes de uma escola de artes; essa é a refilmagem do clássico filme de 1980. Eu assisti ao original e gostei bastante.

Grease: nos tempos da brilhantina (Grease), 1978, 1h51min
A história de amor de Sandy e Danny. Não é um filme de dança, mas é um musical de grande sucesso. Vai me dizer que você nunca cantou “You’re the one that I want… uh, uh, uh…”.

Chicago, 2002, 1h53min
Velma Kelly e Roxie Hart foram presas acusadas de assassinato; dentro da prisão, disputam o protagonismo e a fama. Sucesso na Broadway, sucesso no cinema, vencedor do Oscar de melhor filme. Quem ainda não o assistiu, vá por mim, vale cada minuto.

William Tell pas de deux

Para voltarmos aos eixos depois do Carnaval, uma delicadeza.

William Tell pas de deux é um divertissement coreografado por August Bournonville em 1873. Eu o encontrei por um mero acaso; na newsletter de fevereiro eu compartilhei um vídeo com a parte final. Depois, encontrei a obra completa, também com o entrance e as variações feminina e masculina.

Vou publicar o vídeo mais curto, porque ele foi publicado no canal do English National Ballet e geralmente esses vídeos não são retirados do ar. Quem quiser assistir ao William Tell pas de deux completo, dançando pelos bailarinos Diana Cuni e Thomas Lund, do Royal Danish Ballet, clique aqui.

Connie Vowles and Giorgio Garrett: William Tell pas de deux | English National Ballet.